Home / Noticias / VIANA – Consumidores denunciam preços abusivos ao Procon

VIANA – Consumidores denunciam preços abusivos ao Procon

O Procon tem recebido por meio de suas redes sociais denúncias de consumidores que tiveram problemas relacionados ao avanço do coronavírus. Até o dia 6 de abril, foram registradas 2.831, sendo que a maior parte (1.706 ou 60% do total) refere-se a preços abusivos de todos os itens

No dia 19 de março, quando os relatos começaram a ser recebidos, somavam 394 consumidores que tiveram problemas relativos ao coronavírus, o que aponta um crescimento de 618% nas denúncias. No tocante a preços abusivos, principalmente de álcool em gel, o aumento foi de 590% (de 247 denúncias em 19/3 para 1.706 em 6/4).

É inadmissível que empresas aumentem de forma abusiva os preços de itens necessários à população durante a pandemia. O Procon está fiscalizando estabelecimentos no município a fim de averiguar a prática a partir da próxima segunda feira (4) , equipes percorrerão farmácias, supermercados, hipermercados, etc.

Todos serão obrigados a apresentar notas fiscais de venda ao consumidor final e de compra junto aos seus fornecedores de álcool em gel e máscaras, no período de janeiro a março, para comparação e assim verificação de eventual aumento abusivo sem justa causa.

O consumidor que se deparar com algum valor de produtos ou serviços relacionados ao coronavírus que considere abusivo, pode recorrer ao Procon Viana

Considerando a orientação de manter o isolamento e evitar sair de casa, o Procon disponibiliza canais de atendimentos à distância para receber denúncias, intermediar conflitos e orientar os consumidores: via internet( https://procon.site/procon-viana-es/ ), aplicativo – disponível para Android e iOS – ou via redes sociais, marcando @proconsp, indicando o endereço ou site do estabelecimento.

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Operação prende mais de 30 homens acusados de estupro no ES; missionário e guarda-vidas estão entre os presos

Cerca de 60% dos suspeitos detidos já tinham condenações pelo crime Durante 50 dias de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *