Home / Noticias / Suspeito de matar companheira admite que a estrangulou duas vezes antes dela morrer

Suspeito de matar companheira admite que a estrangulou duas vezes antes dela morrer


Girlândio Souza de Oliveira alegou que cometeu o crime após ser agredido pela vítima, que, segundo ele, agiu por ciúmes. Crime aconteceu em Vila Velha

O homem suspeito de estrangular a companheira até a morte, em Vila Velha, confessou à polícia que apertou o pescoço da zeladora Maria Aparecida Viana Souza, de 44 anos, duas vezes antes da vítima morrer. O crime aconteceu na madrugada desta terça-feira (23), no bairro Santa Rita.

Em depoimento no Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Girlândio Souza de Oliveira alegou que cometeu o crime após ser agredido pela vítima, que, segundo ele, agiu por ciúmes. O suspeito foi autuado em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil, por meio de asfixia e feminicídio, e encaminhado para o Centro de Triagem de Viana.

Segundo o delegado de plantão, no primeiro depoimento Girlândio alegou ter empurrado a companheira, que bateu a cabeça e acabou desmaiando. Ele disse que chamou o Samu, mas que ela não teria resistido. No entanto, os exames do Departamento Médico Legal (DML) apontaram outro resultado: a conclusão foi de que Maria Aparecida foi asfixiada até a morte.

Com esse resultado, Girlândio foi questionado novamente e acabou confessando o que fez. Ele explicou para o delegado que os dois estavam na cozinha e que a vítima começou a agredi-lo. Ele então teria apertado o pescoço de Maria Aparecida até ela desmaiar.

Em seguida, o suspeito disse que carregou a companheira até o quarto, onde ela teria recobrado os sentidos e voltado a agredir o companheiro. Girlândio contou que, nesse momento, voltou a apertar o pescoço da vítima com as próprias mãos. No entanto, dessa vez, o resultado não foi só um desmaio: Aparecida morreu asfixiada.

Segundo o delegado responsável pela autuação, o suspeito afirmou que a companheira era muito ciumenta e, por isso, o casal brigava com frequência. A família da vítima teria testemunhado boa parte das discussões.

Maria Aparecida era mãe de cinco filhos e uma das filhas estava em casa no momento da briga. O casal vivia junto há cerca de um ano.

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Justiça do ES dá 48h para que sindicato se manifeste sobre greve de motoristas de caminhão de lixo

Sindicato patronal acusa a categoria de não cumprir a liminar que determina a manutenção de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *