Home / Noticias / Projeto recolhe média de 1 a 2 pinos de cocaína por metro quadrado em praias de Vitória

Projeto recolhe média de 1 a 2 pinos de cocaína por metro quadrado em praias de Vitória

Para chamar a atenção da sociedade para o problema, com esse tipo de lixo os voluntários do projeto montam obras de arte.

Voluntários de um projeto ambiental recolhem, em média, de um a dois pinos de cocaína por metro quadrado nas praias de Vitória. Para chamar a atenção da sociedade para o problema, com esse tipo de lixo eles montam obras de arte.

“A gente pode conhecer quem são as pessoas pelo lixo que ela gera, e a quantidade de pinos de cocaína que a gente encontra nas praias de Vitória é assombrosa”, explicou o diretor do Projeto Pegada, Rafael Braga.

Além dos pinos, são recolhidas tampas de garrafas, isqueiros, palitos, seringas, material que suja o meio ambiente e ameaça também os animais.

“Não só os animais, mas as pessoas também. Costumamos falar que estamos ali não só recolhendo lixo, mas salvando vidas”, destacou Rafael.

Como forma de chamar a atenção para o problema, o lixo que é encontrado vira arte nas praias com desenhos de animais nas areias. Depois ganha um destino, mas uma boa parte disso tudo não pode ser reciclada.

Obra de ar com lixo recolhido em praias de Vitória — Foto: Reprodução/Projeto Pegada
Obra de ar com lixo recolhido em praias de Vitória — Foto: Reprodução/Projeto Pegada

Obra de ar com lixo recolhido em praias de Vitória — Foto: Reprodução/Projeto Pegada

Em uma associação de catadores de materiais recicláveis, todo mês chegamais de 40 toneladas de resíduos, material que sai das residências, comércios e departamentos públicos. Quando chega para os associados, eles ainda têm muito trabalho para fazer a coleta seletiva.

“A gente precisa que a população de conscientize mais, principalmente sobre os materiais recicláveis. É importante separara o seco do úmido porque existem seres humanos por trás disso. Nas associações trabalham pessoas que põe a mão diretamente nesses resíduos”, explicou a presidente da associação, Josimeire dos Santos.

Em Vitória existem três associações de catadores, que fazem a coleta seletiva de cerca de 350 toneladas de resíduos, mas quando comparamos com o número de lixo que a capital produz todo mês, ainda é pouco: são 10.000 toneladas.

A prefeitura diz que trabalha pra nos próximos meses conseguir aumentar esses números.

“Existe um programa da prefeitura chamado ‘Catadores são educadores’, pelo qual conscientizamos os trabalhadores, profissionalizamos, para que eles possam ter condições de educar a população. Estamos criando mais duas associações e ampliando pontos de coleta seletiva”, explicou o secretário executivo da central de serviços da prefeitura, Weverton Moraes.

Empresas

Enquanto isso ainda não acontece, algumas empresas têm trabalhado a sustentabilidade de uma maneira diferente e atraindo pessoas que doam garrafas, papéis e até eletrônicos. Depois, por meio de um aplicativo desenvolvido por uma startup quem faz a entrega do material, acumula pontos e pode trocar por produtos novinhos de uma loja de material de construção de Vitória.

“De uma forma real, é possível ajudar o Meio Ambiente, a si mesmo, e ainda ganhar prêmios”, explicou o master franqueado Aécio Bumachar.

Desde que a ideia surgiu, há dois anos, 45 mil toneladas de lixo foram reciclados através de parcerias com outras empresas

No Espírito Santo, 10 mil toneladas de material devem ser reciclados e ganhar um destino diferente até o final do ano. “A gente tá evitando mais gasto de carbono, de água, e tudo isso faz com que a gente seja uma sociedade mais sustentável”, explicou.

Você pode Gostar de:

Divulgação do Processo Seletivo do IBGE em Viana

Estarão sendo Ofertadas ao todo 73 vagas para o Município de Viana, sendo 65 para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *