Home / Noticias / Postagem em rede social faz mulher ter que pagar R$ 10 mil a posto de combustível em Guarapari

Postagem em rede social faz mulher ter que pagar R$ 10 mil a posto de combustível em Guarapari

Uma cidadã foi condenada a indenizar em R$ 10 mil, a título de danos morais, um posto de combustível do município de Guarapari por conta do uso de expressões caluniosas no perfil da ré em uma rede social. Segundo o processo, a moradora difamou em seu perfil a qualidade do combustível comercializado pelo posto.

Narra os autos que a postagem, motivo do processo movido pelo requerente, aconteceu em virtude de um não comprovado abastecimento do veículo da mulher feito no local, com gasolina misturada com água.

A cidadã publicou este fato em sua rede social e ganhou grande publicidade, causando comentários maldosos. De acordo com o requerente, em virtude desta postagem, teve perda sensível da clientela.

Para a Juíza de Direito Ângela Cristina de Oliveira, da 1ª Vara Cível de Guarapari, os fatos narrados pelo Posto de Combustíveis do município são verídicos, uma vez que foram anexados aos autos “prints” comprovando a postagem da ré.

De acordo com a magistrada, a partir desta prova trazida ao processo, é possível extrair que a postagem foi objeto de 320 compartilhamentos, além de 126 curtidas e 49 comentários. “Publicidade esta de expressiva repercussão negativa e de imensurável consequência deletéria à credibilidade e reputação da pessoa jurídica demandante”, afirmou a Juíza.

“A reverberação das publicações em redes sociais é infinita e de impossível mensuração, exigindo dos internautas maior responsabilidade, bom senso e conscientização quanto às consequências jurídicas decorrentes de post’s desabonadores, autorizando este juízo, neste caso específico, a concluir pela efetiva prática de conduta difamatória em desfavor da empresa demandante”, concluiu a Juíza de Direito Ângela Cristina de Oliveira, fixando o valor da indenização em R$ 10 mil.

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Operação prende mais de 30 homens acusados de estupro no ES; missionário e guarda-vidas estão entre os presos

Cerca de 60% dos suspeitos detidos já tinham condenações pelo crime Durante 50 dias de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *