Home / Noticias / Pedagoga encontrada morta com tiro na testa em Piranema é enterrada em Cariacica

Pedagoga encontrada morta com tiro na testa em Piranema é enterrada em Cariacica

d4257050-8693-0135-1eb7-6231c35b6685--minified

Após reportagem na TV Vitória, familiares descobriram a morte da pedagoga Isabela Ferreira Javarini, de 26 anos. O corpo dela foi encontrado com tiro na testa abandonado em um terreno em Piranema, Cariacica. O sepultamento da jovem ocorreu na manhã desta quinta-feira (28) e o crime ainda é um mistério.

O corpo de Isabela foi encontrado na noite da última segunda-feira (25). O velório ocorreu na Capela Mortuária do bairro Vila Palestina, também em Cariacica.

Isabela era psicopedagoga, morava em São Gonçalo, bairro próximo a Piranema, em Cariacica, local onde foi morta. Entre os familiares e amigos a palavra que define a pedagoga é alegria. Muito dedicada à profissão, isabela era formada em pedagogia. Ela estava em seu segundo curso, o de psicologia, mas não teve tempo de finalizar a graduação.

A jovem trabalhava como professora em uma escola pública de Cariacica. Na segunda-feira, antes do crime, ela trabalhou normalmente, saiu da escola por volta de 17h30. Antes de ir para casa, pegaria o filho em uma creche que fica próximo a casa dela.

Como Isabela não chegava e estranhando a demora, uma professora da creche ligou para a mãe da jovem pedindo que alguém fosse buscar a criança. Foi aí que a família de Isabela passou a ficar preocupada.

As características passadas pela polícia batiam com as de Isabela, que foi encontrada sem a bolsa e sem nenhum documento. O crime, para os familiares, é cercado de mistério.

A vida da educadora era dedicada à família e ao trabalho, sem desafetos e de muitos amigos. Isabela era separada, mas mantinha uma relação amigável com o ex-marido, que mora fora do Estado. A educadora deixa dois filhos, uma menina de oito anos e um menino de apenas três anos de idade.

Você pode Gostar de:

Em Viana, assédio sexual e perseguição em escola acaba em delegacia

Homens que trabalhavam na reforma da Escola Municipal Constantino José Vieira, em Marcílio de Noronha …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *