Home / Geral / Homem morre 48 horas após contrair bactéria carnívora

Homem morre 48 horas após contrair bactéria carnívora

Vibrio vulnificus é uma bactéria transmitida pela ingestão de crustáceos mal cozidos ou por feridas abertas


Um homem morreu 48 horas depois de contrair uma bactéria comedora de carne nas águas da Flórida, segundo divulgou sua filha, Cheryl Bennett Wiygul, nas redes sociais. “As bactérias que comem carne parecem uma lenda urbana, mas gostaria de assegurar que não são”, escreveu ela em sua página no Facebook.

Moradores de Memphis, no Estado de Tennessee, nos Estados Unidos, o pai e a mãe de Cheryl haviam ido à Flórida, estado com registro de ataque de bactérias desse tipo, passar alguns dias com a filha. Durante a estadia, entraram em uma praia na cidade de Destin, conhecida pela pesca, e um riacho e um pântano em Boggy Bayou.

No dia seguinte de ter passado o dia na água, ele acordou com febre, calafrios e cãibras. Era o dia de voltar para casa e eles pegaram a estrada. Chegando em Memphis por volta das 20h, teve de ir direto ao hospital, com dores severas nas pernas.

Ao examiná-lo, os médicos notaram uma mancha preta nas costas e a diagnosticaram como fasceíte necrotizante, iniciando tratamento com antibióticos pela veia.

Mesmo assim, os braços começaram a inchar e as dores tomaram todo seu corpo. Cinco horas depois, ele estava com sepse, infecção generalizada. Foi entubado e internado na UTI. Horas depois veio a notícia de que ele tinha morrido. “As bactérias o destruíram”, afirma a filha.

Ela divulgou que ele contraiu a bactéria Vibrio vulnificus, que se manifesta por meio da fasceíte necrosante, levando à sepse. Vibrio vulnificus é uma bactéria transmitida pela ingestão de crustáceos mal cozidos ou por feridas abertas.

A filha conta que tinha ouvido relatos de pessoas que contraíram a bactéria comedora de carne na Flórida e tomou precauções extras com seu pai, já que ele havia sido diagnosticado com câncer.

“Meu pai não tinha feridas abertas (que é por onde esse tipo de bactéria costuma entrar). Ele apresentava pequenos arranhões nos braços e pernas, mas tratamos de deixá-los bem vedados”, diz.

“Ele tinha câncer, portanto seu sistema imunológico estava comprometido. Ele lutou contra o câncer por muitos anos e esteve dentro da água várias vezes, então não parecia um risco”, completa.

Cheryl conta que, quando os pais informaram que iriam à Flórida, ela soube do caso de uma menina de 12 anos que havia contraído a bactéria em Destin que gerou uma fasceíte necrotizante. Ela tinha um corte na perna.

“Não havia aviso sobre bactérias em qualquer praia ou parque que fomos. Se eu soubesse, nunca teria levado meu pai”, diz.

“Não há informação suficiente sobre as bactérias na água. É preciso haver placas afixadas em todas as praias, cidades e parques estaduais que ‘devido a bactérias que ocorrem naturalmente na água, pessoas com feridas abertas ou sistemas imunológicos comprometidos não devem entrar'”, finaliza.

*Com informações do Portal R7!

Você pode Gostar de:

BR-262 tem novo deslizamento na região Serrana

Segundo a PRF, deslizamento ocorreu no trecho de Victor Hugo, em Marechal Floriano. Imagens de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *