Home / Noticias / Detento que fugiu do presídio do Xuri em abril é assassinado em Cariacica

Detento que fugiu do presídio do Xuri em abril é assassinado em Cariacica

Jean Carlos de Souza Silva estava foragido da Penitenciária Estadual de Vila Velha desde o dia 22 de abril. Ele foi morto no bairro Flexal, no último domingo


Um dos nove detentos que fugiram do Complexo Penitenciário de Xuri, em Vila Velha, em abril deste ano, foi assassinado no bairro Flexal, em Cariacica, no último domingo (28). Jean Carlos de Souza Silva estava foragido da Penitenciária Estadual de Vila Velha desde o dia 22 de abril.

De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), Jean respondia por tráfico de drogas, entre outros crimes. A Polícia Civil informou que o caso está sendo investigado e, até o momento, nenhum suspeito foi identificado.

Dos nove detentos que fugiram de Xuri, em abril, dois foram recapturados: Wallas Borges Silva e Gleidson Rezende Marçal. A Sejus informou ainda que os dois estão presos na Penitenciária de Segurança Máxima I, em Viana.

Já Sávio Soares de Souza, Júlio César Geraldo, Carlos Eduardo Ferreira da Silva, Charles Bastos Moraes, Adamo Moreira Félix e Adair Fernandes da Silva permanecem foragidos. Todos eles respondem por tráfico de drogas e outros crimes.

Operação Beijo de Judas

Na última quarta-feira (24), um inspetor penitenciário foi preso por suspeita de facilitar a fuga dos nove detentos do Complexo de Xuri. A prisão ocorreu na casa do agente, no bairro Cristóvão Colombo, também em Vila Velha.

O inspetor foi preso dentro da operação Beijo de Judas, deflagrada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), por meio do Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc). Segundo a Sejus, o servidor pretendia participar de uma segunda fuga de presos no Xuri, mas o plano foi descoberto.

Fonte: Folha vitória

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Justiça do ES dá 48h para que sindicato se manifeste sobre greve de motoristas de caminhão de lixo

Sindicato patronal acusa a categoria de não cumprir a liminar que determina a manutenção de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *