Home / Noticias / Criança é morta no ES, pai confessa o crime e fala que ‘ouviu voz’, diz polícia

Criança é morta no ES, pai confessa o crime e fala que ‘ouviu voz’, diz polícia

Uma criança de cinco anos morreu após sofrer agressões e o pai é o suspeito do crime.

À polícia, o homem disse que “ouviu vozes” antes de cometer o crime, que aconteceu na cidade de Dores do Rio Preto, no extremo Sul do Espírito Santo, nesta quarta-feira (15).

A criança chegou a ser levada para o Pronto Socorro Municipal de Guaçuí, mas não resistiu aos ferimentos.

A polícia disse que militares foram ao pronto socorro após um chamado da equipe médica, que suspeitou da agressão por causa de hematomas no corpo da criança.

O pai Adeildo Souza da Silva, de 26 anos, foi encaminhado para a delegacia de Alegre, que fica a 47 km de Dores do Rio Preto. Ele vai ser transferido para o Centro de Detenção Provisória de Cachoeiro de Itapemirim, que fica a 106 km da cidade onde aconteceu a morte.

Na Delegacia de Alegre, durante a madrugada, o pai assumiu as agressões ao menino, atribuindo o motivo do crime às vozes. Ele foi autuado por homicídio duplamente qualificado, quando o crime é por motivo fútil e tem impossibilidade de defesa da vítima.

O corpo do menino foi levado para o Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim. Ainda não há informações sobre o enterro da criança e participação da mãe no caso.

Agressões desde domingo

Ainda no pronto socorro, a mãe disse a polícia que o menino estava se queixando de dores desde o domingo (12) e disse que não sabia explicar os hematomas.

Visita ao Centro Espírita

Após o aparecimento de novos hematomas na manhã de quarta-feira, a família ainda esteve em um Centro Espírita e pediu orações para a criança.

Sem a melhora do menino, por volta das 14 h, a mãe Luane Monique de Moura Silva, de 29 anos, chamou uma ambulância para levá-lo ao pronto socorro.

Confissão dos pais

Os pais e duas pessoas que tiveram contato com a criança no Centro Espírita foram levados para a delegacia de Alegre. O Centro foi último lugar, antes do pronto socorro, em que a criança esteve com vida.

De acordo com informações do delegado Carlos Victor, a mãe confessou que a criança tinha sido agredida pelo pai no domingo e na quarta-feira. Ela relatou que não denunciou o caso porque tinha sido ameaçada. O pai afirmou que mataria ela e o filho.

Confrontado com a relato da mãe, o pai assumiu as agressões e disse que escutou as “vozes” para que agredisse a criança.

Luane foi presa e vai responder pelos mesmos crimes do marido.

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Justiça do ES dá 48h para que sindicato se manifeste sobre greve de motoristas de caminhão de lixo

Sindicato patronal acusa a categoria de não cumprir a liminar que determina a manutenção de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *