Home / Economia / Bolsonaro reitera que a partir de janeiro o preço do arroz deve se normalizar

Bolsonaro reitera que a partir de janeiro o preço do arroz deve se normalizar

O presidente Jair Bolsonaro voltou a repetir nesta quarta-feira a previsão de que, a partir de janeiro, o preço do arroz deve se normalizar.

Em setembro, a demanda tanto no mercado interno como de outros países, impulsionada pela pandemia da covid-19, puxou para cima os preços do grão. Desde então, Bolsonaro tem garantido que o preço voltará aos níveis normais no início de 2021.

“O agronegócio é o nosso orgulho. Alguns reclamam que estamos exportando muito e sobe o preço de algumas coisas aqui dentro. Mas tem setor do agronegócio, como o do arroz, que era deficitário. Agora, espera que se normalize porque cada vez mais estão investindo”, disse ele a apoiadores na manhã desta quarta-feira

O presidente agradeceu a um apoiador que afirmou ser produtor rural. Ele também repetiu que o homem do campo foi essencial para garantir o fornecimento de arroz durante a pandemia, mesmo que com preço elevado.

Bolsonaro minimizou ainda a alta nos preços do grão, indicando que, no setor de agronegócio brasileiro, o grão representa “pouca coisa”. “Quem critica não que ir para o campo plantar, não sabe dos riscos. Se vocês tivessem ficado em casa durante a pandemia o arroz não estaria mais de R$ 30 o saco de 5kg (porque) não teria arroz. Espero em janeiro regularizar essa questão. No agronegócio, o arroz é pouco coisa.”

Para os apoiadores, Bolsonaro assegurou ainda que o campo e também a indústria estão “indo bem”.

Em setembro, para conter o avanço do preço do arroz, a Câmara de Comércio Exterior (Camex), do Ministério da Economia, decidiu pela isenção, até o final do ano, da alíquota de importação para uma cota de 400 mil toneladas de arroz.

About Marcelo Ribeiro

Check Also

Operação prende mais de 30 homens acusados de estupro no ES; missionário e guarda-vidas estão entre os presos

Cerca de 60% dos suspeitos detidos já tinham condenações pelo crime Durante 50 dias de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *